Cães séniores – Síndrome de Disfunção Cognitiva

Após toda uma vida de brincadeira, companheirismo, lealdade, amizade e longos passeios, não será surpresa para si que o seu cão sénior comece a dar sinais da sua avançada idade. Talvez já não ouça como antigamente, talvez já não veja tão bem como via no passado, talvez o pêlo do focinho esteja esbranquiçado ou grisalho, talvez já esteja mais lento nos passeios e talvez até já nem demonstre vontade de brincar com o seu brinquedo preferido.

Infelizmente, sintomas destes são muito frequentes e até naturais numa idade avançada em cães. No entanto, há que estar atento a certos sinais que poderão ser alarmantes, tais como:

– Aumento do sono durante o dia e insónia durante a noite;

– Caminhadas e latidos sem motivo aparente durante a noite;

– Desorientação em locais conhecidos;

– Olhar fixo e alienado;

– Entrar em locais inadequados e não conseguir sair;

– Diminuição da aprendizagem;

– Esquecimento de comandos já aprendidos em adestramento;

– Diminuição da resposta a estímulos sonoros;

– Não reconhecer pessoas familiares;

– Defecar e urinar em lugares inapropriados, independentemente do número de vezes que vai passear à rua.

Se o seu cão apresenta alguns dos sintomas acima mencionados, deverá falar com o médico veterinário, pois poderá sofrer do Síndrome da Disfunção Cognitiva.

O SDC é uma desordem neuro-degenerativa progressiva cujas causas não são conhecidas, porém sabe-se que se manifesta devido a uma série de alterações físicas e químicas que ocorrem no cérebro durante o processo de envelhecimento, nomeadamente ao nível dos neurónios, dos neurotransmissores e do metabolismo. Também poderão ocorrer alterações na área vascular do cérebro e na bioquímica cerebral.

Como lidar com o Síndrome de Disfunção Cognitiva:

1º Passo

Se suspeita que o seu cão sofre do SDC marque uma consulta com o médico veterinário para realizar um check up especifico para cães seniores;

O correto diagnostico é importantíssimo para definir um plano de tratamento pois,  vários sintomas da disfunção cognitiva são confundidos com outros sintomas frequentes em cães de idade avançada como por exemplo: a diminuição da actividade física poderá ter como causas: artroses, diminuição da visão, problemas urinários e/ou renais, logo, nem sempre estará presente o SDC. Um exame completo irá contribuir para um correcto diagnóstico.

 2º Passo

Após o diagnóstico confirmado, é essencial manter-se consciente de que o SDC não tem cura! No entanto, existem fármacos que influenciam os níveis de dopamina no cérebro do seu cão e que poderão ajudar a minimizar alguns dos seus sintomas actuais. Fale com o seu veterinário, este irá aconselhar qual o melhor tratamento no caso do seu cão.

3º Passo

Ajudar o seu cão durante esta fase da sua vida é essencial! Incluir no quotidiano do seu cão alguma actividade mental poderá regredir o desenvolvimento do SDC. Para isso, poderá usar brinquedos interactivos.

A dieta é também um importante factor para proteger o cérebro do seu cão contra o envelhecimento. Deverá fornecer-lhe uma ração rica em antioxidantes, ou suplementar a dieta diária do seu cão com antioxidantes.

4º Passo

O ambiente onde o seu cão vive é um factor importante que irá afectar positiva ou negativamente o desenvolvimento do SDC. Para isso, deverá colocar em prática algumas regras básicas:

– Ao sair ou chegar ao local onde o seu cão se encontra, deve agir calmamente sem criar ansiedade ou excitabilidade no seu cão, agir normalmente sem demonstrações de afecto exacerbadas;

– Alterar os famosos “rituais” de partida também pode ajudar. Muitos cães sabem quando os seus donos vão sair de casa, graças à observação de todas as suas atitudes. Evitar estes sinais contribuirá para que o seu cão fique mais calmo e menos ansioso;

– Evite alterar o local de mobílias e outros adereços de decoração;

– Elimine móveis e objectos desnecessários para criar corredores de passagem amplos, evitando que o seu cão se sinta num labirinto;

– Se necessário, arranje uma alternativa às escadas, como uma rampa móvel;

– Respeite os limites do seu cão ao apresentar novas pessoas, objectos e brinquedos;

– Mantenha uma rotina fixa de alimentação e passeios diários;

– Mantenha os comandos o mais simples possível;

 – As sessões de interacção com o seu cão devem ser curtas.

5º Passo

Mantenha-se consciente de que nesta nova fase da vida do seu cão deverá acima de tudo manter a calma, ser paciente e sentir compaixão. O mundo que rodeia o seu cão está agora diferente aos olhos deste! A sua postura diária para com o seu cão, a forma como o trata diariamente, deverá reflectir o seu respeito e orgulho por este companheiro que esteve ao seu lado durante tantos anos. Deverá esforçar-se por tornar a vida do seu fiel amigo o mais cómoda possível, pois esta é a fase em que ele mais precisa de si!

1 Comentário

  1. Obrigada pela ótima informação.

Faça um comentário